Da redação da Vogue – Resumo da semana de moda de Paris/ Quem é Donata Meirelles

A Vogue fez um resumo de como foi a última Paris Fashion Week, uma das semanas de moda de maior destaque no mundo. Acompanhe aqui como foi e conheça um pouco mais da diva da moda brasileira Donata Meirelles.

A PFW

O primeiro dia da PFW contou começou com o finalista do prêmio LVMH Rok Hwang, pela

Rokh. A passarela trouxe peças elegantes mescladas com um grafismo moderno e linhas com uma pegada mais industrial. a Lanvin apresentou seu novo diretor de arte Bruno, que antes estava na Loewe.

O destaque ficou com a estreia de Louise Trotter na Lacoste. A diretora criativa é a primeira mulher a liderar a marca francesa em seus 85 anos de mercado. Lisi H. e Rushemy Botter trouxeram sua primeira coleção completa para a Nina Ricci. Os dois diretores venceram um dos prêmios mais cobiçados pelos jovens estilistas europeus, o Première Vision Grand Prize.

O foco do segundo dia foi Hedi Slimane pela Celine, que apresentou sua segunda coleção pela marca. Na Valentino, Pierpaolo Piccioli também foi muito esperada pelo público, mas não tanto quanto o desfile póstumo de Karl Lagerfeld para a Chanel. Famosos como Celine Dion e Naomi Campbell se emocionaram com a apresentação.

A PFW de outono e inverno ficou marcada pelas maisons que aderiram ao movimento que evita o uso de pele animal em suas coleções. A Mugler, por exemplo, apresentou sua coleção de pre-fall com materiais como crepe sintético, tecidos de “compressão” e neocrepe. A ideia é retirar também o plástico e outras matérias-primas que agridem o meio ambiente.

Fecharam a semana a Yazbukey em um desfile lúdico e com aspectos mais surreais. Virgil Abloh apresentou seu primeiro projeto na Evian e JW Anderson revelou sua participação na Uniqlo, enquanto Neith Nyer também exibiu sua mais nova coleção com a DDP, marca de streetwear.

Quem é Donata Meirelles

A diretora de estilo da Vogue brasileira, Donata Meirelles é uma das personalidades mais importantes do país no segmento de moda de luxo. Sua carreira começou no início da década de 1990 na Daslu, uma das boutiques mais conhecidas do país.

Donata começou como vendedora e chegou ao cargo de diretora geral na Daslu. Na função, foi responsável por orientar cerca de 400 funcionários e definir quais as marcas de fora seriam vendidas no país. Foi um tempo de abertura do mercado nacional para produtos estrangeiros e como compradora internacional, Donata ganhou grande notoriedade.

Eram comuns as viagens internacionais, muitas delas acompanhada com a dona da Daslu, a empresária Eliana Tranchesi e a filha, Helena Bordon. A filha, depois de conviver tanto tempo no mundo da moda, criou sua própria marca de roupas e acessórios, a 284.

Após 23 anos de Daslu, Donata passou por um período sabático e aceitou o pedido de Daniela Falcão para ser diretora de estilo na publicação nacional da Vogue. Apesar de não ter formação em jornalismo, a diva desempenhou um bom papel. Atualmente ela se dedica aos eventos promovidos pela revista em todo o país.

Felipe Montoro Jens fala das PPPs para a construção de unidades habitacionais sobre linhas férreas

Durante o Fórum PPPs e Concessões, realizado pela EXAME, em 2017, o secretário de habitação do Estado de São Paulo, Rodrigo Garcia, afirmou que apesar da existência de projetos de Parcerias Público-Privadas estarem em andamento, o cenário ainda não é satisfatório. Para ele, desmistificar alguns pontos deste tipo de parceria é um dos maiores obstáculos a serem enfrentados para que o país consiga alavancar seu crescimento, como reporta Felipe Montoro Jens.

Ao contrário do que se pensava sobre a necessidade de cobranças tarifárias para o alcance do sucesso em uma PPP, Garcia, durante o debate, citou um exemplo oposto a essa ideia, que é o Lote 2 de São Paulo, criado após o sucesso do Lote 1 que entregou suas unidades de habitação no bairro do Bom Retiro.

O mencionado projeto do centro expandido da capital paulista, na ocasião, previa a edificação de sete mil habitações em terrenos não utilizados da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) e do Metrô. Lajes em áreas operacionais e trilhos localizados nas estações Bresser, Brás e Belém também seriam utilizados para a construção desses apartamentos.

Felipe Montoro Jens esclarece que a entrega das unidades habitacionais, como o informado anteriormente, deverá ocorrer em até 6 anos após o estabelecimento do contrato com a concessionária. Do total previsto, 2.100 serão de Habitação de Mercado Popular (HMP), destinadas a grupos com renda de cinco a dez salários mínimos. As outras 4.900 de Habitação de Interesse Social (HIS) serão voltadas para famílias com renda máxima de cinco salários e subsidiadas.

A ideia prática do Lote 2 é seguir o exemplo de outros países e aproveitar as áreas de linhas férreas disponíveis para a edificação de moradias, como em New York, nos EUA. O projeto também contempla a manutenção predial, o trabalho social com as famílias carentes e outras prestações de serviços.

Mais um exemplo de sucesso alcançado por meio de uma Parceria Público-Privada é o Hospital do Subúrbio de Salvador, apresentado por Paulo Moreno Carvalho, procurador geral do Estado da Bahia, lembra Felipe Montoro Jens.

Apesar de oferecer serviços gratuitos, por ser uma instituição pública, o hospital conta com a qualidade de uma unidade particular. Em sua construção foram gastos pelo governo do Estado da Bahia cerca de R$50 milhões. Porém, ressalta Felipe Montoro Jens, a administração e operacionalização são feitas pela iniciativa privada, tendo também sob sua responsabilidade os custos de manutenção até o término do contrato que ocorrerá em 2020. Até lá, a iniciativa privada segue recebendo uma remuneração ante ao cumprimento de metas pré-estabelecidas.

Outro exemplo de êxito, porém no segmento de saneamento básico, é a Palestina, município do interior paulista. A cidade de aproximadamente 11 mil habitantes conta com o abastecimento de água feito integralmente pelo setor privado. Cerca de 95% do tratamento de esgoto e a coleta de lixo também são realizados pela iniciativa privada. Vale ressaltar que o registro de 14% em perdas na distribuição é um dos índices mais baixos do mundo, finaliza o especialista em Projetos de Infraestrutura, Felipe Montoro Jens.

Mortes prematuras podem estar relacionadas com alimentos ultraprocessados

Um novo estudo associou a ingestão de alimentos ultraprocessados com a morte prematura e o desenvolvimento de diversos problemas de saúde. Presentes na alimentação de pessoas do mundo inteiro, os sorvetes, cereais matinais, nuggets de frango, e muitos outros produtos, estão causando a morte prematura de muitas pessoas, assim como o surgimento de graves problemas de saúde.

O estudo foi realizado por cientistas da Espanha e da França, sendo que o objetivo do estudo foi relacionar a ingestão destes alimentos aos dados dos últimos anos sobre morte prematura e desenvolvimento de doenças.

Segundo as notícias divulgadas pelos cientistas, os dados ainda não podem ser considerados como prova definitiva de que os alimentos ultraprocessados são os únicos vilões. Contudo, os dados mostram que os testes realizados com alimentos ultraprocessados, assim como a análise de dados coletados de diversos pacientes e pessoas que morreram apontam para uma associação entre diversos problemas de saúde e a ingestão de alimentos ultraprocessados.

Por isso, os cientistas concluíram que comer alimentos ultraprocessados em excesso proporciona o desenvolvimento de certos problemas de saúde, assim como esses alimentos contribuem para a morte prematura. Em resumo, os especialistas acrescentam que não há conclusões para o assunto, mas defendem que há a necessidade de realizar mais pesquisas para confirmar os dados.

Se você não faz ideia do que são alimentos ultraprocessados, isso significa que você provavelmente já consumiu pelo menos um deles ou consome vários deles todos os dias. Esses alimentos são chamados assim por causa de seus diversos processos industriais, que na maioria das vezes diminuem os nutrientes dos alimentos e os tornam menos saudáveis.

Alimentos como carne, leite, legumes, frutas, sementes, grãos, ovos e leguminosas, são considerados minimamente processados. Já os ultraprocessados são aqueles como sopa instantânea, cereais matinais, hambúrgueres, salsichas, bebidas açucaradas, bolo, nuggets de frango, chocolate, sorvete, tortas, pizza, entre muitos outros produtos deste tipo.

Embora os cientistas consideram que mais estudos precisam ser feitos para comprovar melhor os dados sobre os ultraprocessados, eles alertam para que a população reduza o consumo desses alimentos com a finalidade de evitar o desenvolvimento de doenças. Dados como sedentarismo e estilo de vida deverão ser considerados pelos pesquisadores nas próximas pesquisas sobre alimentos ultraprocessados.

Bitcoin faz pequena correção de preço, mas encontra-se em forte tendência de alta

No mundo das criptomoedas o destaque é o Bitcoin, capaz de oscilar em escalas de valores extremamente exorbitantes. Isso aconteceu na madrugada do dia 17 de maio de 2019, quando a moeda teve um forte recuo de US$ 7,8 mil para US$ 6,1 mil em aproximadamente duas horas. Como o Bitcoin é uma moeda descentralizada, sua cotação frente as outras moedas podem sofrer oscilações constantes a qualquer momento. As notícias sobre esse movimento de correção sofrido pelo Bitcoin foram divulgadas pela Bitstamp, exchange norte-americana de grande porte.

Logo depois deste pico de volatilidade negativo no preço da criptomoeda, ela voltou a oscilar e atingiu a casa dos US$ 7,2 mil poucas horas depois. Essa grande oscilação no preço da moeda gerou impactos na cotação da criptomoeda frente ao real, mas a oscilação aqui foi bem menor. O Bitcoin estava cotado em R$ 30 mil e recuou para R$ 28.987,51 após a variação do dia 17 de maio deste ano. No dia 20 de maio de 2019 o preço atingiu 31.781,58 e demonstrou que a tendência de alta é verdadeira.

De acordo com Breno Chaves, diretor de marketing da Bitcoin Trade, esse é um dos melhores momentos para se adquirir Bitcoin, pois além da criptomoeda estar com o preço em conta, essa pequena oscilação em maio deste ano não tem poder de afetar a forte tendência em que a criptomoeda se encontra. Essa fortíssima tendência de alta tende a ter pontos de correção como o observado com esta forte oscilação. Um ativo qualquer se move em tendências ou estagna em uma consolidação, permanecendo em uma faixa de preço por muito tempo. Quando esse ativo está em tendência, a variação do preço segue um ritmo de alta ou de baixa durante um período.

“Essa queda é um movimento saudável para o ativo chamado de correção do preço, pois o mercado realiza lucros e volta a subir com força quando rompe a barreira do último preço de máxima. Para os investidores que conhecem o potencial do Bitcoin, comprar a moeda no preço mínimo da correção pode ser uma ótima oportunidade de realizar lucros a longo prazo. Isso é uma grande oportunidade para quem deseja fazer negócios nessa tendência de alta até ela começar a demonstrar sinais reais de saturação”, explica Chaves.

Mais da metade dos consumidores desconhecem impostos embutidos em compras

Mesmo com a obrigatoriedade imposta em 2013 para que estabelecimentos de todo o país informe os impostos contidos na compra de cada produto, muitos consumidores não sabem o quanto pagam de tributação em suas compras. De acordo com um levantamento realizado pela CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) e pelo SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito), a maioria dos consumidores não sabem informar quais impostos são arrecadados com suas compras no cotidiano e nem mesmo os valores dessa arrecadação.

As notícias divulgadas pelos dois órgãos no dia 27 de maio de 2019 mostram que 74% de todos os consumidores brasileiros não procuram informações sobre os impostos embutidos em todos os itens comprados e nos serviços contratados.

Mesmo com esse resultado impressionante, 93% dos consumidores que foram entrevistados para o levantamento apontaram que os tributos contribuem para que o preço da mercadoria e dos serviços contratados no Brasil sejam mais elevados. Entre os motivos para esse desconhecimento dos impostos embutidos nas mercadorias e nos serviços, 95% dos entrevistados alegaram que a falta de transparência é o principal motivo.

Além dos consumidores finais, que são aqueles que compram produtos e contratam serviços para uso próprio, a pesquisa também ouviu empresários de todo o país para identificar o quanto esses empreendedores sabem sobre os impostos que eles pagam diariamente. De acordo com os dados divulgados pela pesquisa, apenas 22% dos pequenos empresários informou ter o hábito de conferir os valores dos impostos embutidos. Esse pequeno percentual alega saber exatamente quanto de imposto é pago em suas transações. Já uma parcela de 32% dos pequenos empresários informou saber aproximadamente o quanto paga de imposto. Por fim, os 41% restantes não souberam responder o valor arrecadado em impostos embutidos.

A pesquisa realizada pela CNDL e pelo SPC Brasil ainda informou que entre os micro e pequenos empresários que foram entrevistados, 90% deles consideram que o sistema tributário brasileiro é bastante injusto. Tanto os consumidores quanto os empresários consideram que os impostos encarecem o preço final dos produtos e serviços oferecidos no país.

Categories: Uncategorized

Donata Meirelles está entre as mais poderosas do Brasil em lista da Forbes

Na edição de 2017 do ranking divulgado anualmente pela Forbes Brasil acerca das mulheres mais influentes em atuação no país, a revista listou 40 nomes, das mais diversas áreas. logo abaixo oito nomes que estavam na lista.

– Ana Lucia Villela

Uma das herdeiras da família que criou o banco Itaú, Ana Lucia Villela desde cedo pensava em trabalhar com projetos sociais, e em parceria com o seu irmão, Alfredo, fundou a ONG Alana, com foco em ajudar e trazer oportunidade para crianças carentes. Um dos pilares da instituição é mapear iniciativas de ensino que tenham um caráter inovador e contribuir para que esses projetam saiam do papel e ajudem o maior número possível de crianças. Uma dessas iniciativas é o “Escolas Transformadoras”, que leva conceitos como inclusão e igualdade para o cotidiano de seus alunos.

– Andrea Salgueiro Cruz Lima

Com formação em economia, Andrea Salgueiro Cruz Lima é reconhecida como uma das maiores executivas do Brasil. Em seu trabalho na Unilever, Andrea é responsável pelo setor de estratégia da empresa, com foco em reduzir o desperdício e em tornar a companhia mais sustentável. A nível global, a executiva lidera uma iniciativa cujo objetivo é tornar a Unilever mais eficiente na forma em que utiliza os seus recursos, além de ser encarregada de fazer com que a multinacional se torne mais engajada em relação a temas como inclusão, empoderamento feminino, diversidade e etc.

– Ana Theresa Borsari

Apesar de ser formada em direito, Ana Theresa Borsari entrou para o mundo corporativo logo no início de sua carreira, e nos anos 90, já assumiu um cargo elevado dentro da montadora Peugeot, Como diretora do setor de atendimento aos consumidores. Durante os mais de 20 anos em que trabalha na empresa, Ana recebeu diversas promoções até assumir o controle sobre as operações da montadora no país, tudo isso em um momento de desaceleração econômica, o que exigiu ainda mais da gestão da executiva, que se orgulha especialmente da boa relação que a empresa mantém com os seus clientes.

– Bruna Saraiva

A frente dos negócios de sua família, Bruna Saraiva seguiu os passos do pai na liderança da rede de lanchonetes Habib’s, se tornando a responsável pelas decisões estratégicas da empresa. Desde que assumiu essa posição, a executiva optou por reduzir os valores do cardápio, com o intuito de aumentar o número de frequentadores assíduos das filiais da rede. Além disso, a empresa também vem investindo na ampliação de seu portfólio, tendo inaugurado há alguns anos o posto Habib’s, um complexo de lojas com múltiplas funcionalidades.

– Denise Pavarina

Há mais de 30 anos trabalhando no Banco Bradesco, Denise Pavarina foi a primeira mulher a fazer parte do diretório executivo do banco. Com formação em economia e pós-graduação em finanças, Denise exerce várias funções na empresa, entre elas, a de representante da Bradespar, entidade que gerencia as participações acionárias do banco. Em relação a participação feminina em altos cargos do meio corporativo, a executiva ressaltou em entrevista à Forbes que esta deverá aumentar de forma crescente nos próximos anos, pois as mulheres estão se especializando cada vez mais.

– Donata Meirelles

Um dos principais nomes da moda no Brasil, Donata Meirelles Começou há mais de 30 anos como vendedora da loja de luxo Daslu, da qual era cliente assídua antes de ser convidada para trabalhar como vendedora. Com o passar dos anos e a experiência crescente em moda, Donata passou a cuidar da escolha de quais grifes internacionais seriam importadas pela loja, o que a tornou uma das colaboradoras mais importantes da empresa. Após um breve período em que deixou o seu cargo para se dedicar a família e a vida pessoa, Donata Meirelles foi convidada pela direção geral da Globo Condé Nast para ser diretora de estilo da revista Vogue, a maior publicação de moda do país.

– Sylvia Coutinho

Atual presidente do UBS Brasil, Sylvia Coutinho possui uma vasta experiência no setor bancário, e para isso precisou demonstrar grande resiliência e capacidade de liderança em momentos difíceis. No último deles, durante o período de recessão econômica enfrentado no país, a executiva precisou reavaliar a forma como os recursos estavam sendo utilizados e cortar alguns gastos para garantir que a empresa se manteria forte. Eleito como o melhor banco de impact investing do Brasil, de acordo com a Euromoney em 2017, o UBS tem crescido bastante e demonstrado que pode ser uma das lideranças do país nesse setor.

– Tânia Cosentino

Na empresa desde o ano 2000, Tânia Passou por vários cargos de liderança antes de se tornar a primeira mulher a alcançar a função de presidente da Schneider Electric na América do Sul, em 2013. Os seus esforços no cargo fizeram com que a executiva ganhasse um prêmio concedido pela Organização das Nações Unidas em função da preocupação social e ambiental demonstrada pela empresa nos últimos anos. Considerada uma ativista em prol da diversidade, Tânia defende a inclusão das minorias, incluindo portadores de necessidades especiais, refugiados e da população LGBT.

– Teresa Perez Um dos grandes nomes do turismo de luxo no Brasil, Teresa Perez fundou há quase 30 anos a sua operadora de turismo, a qual leva o seu nome. Responsável por oferecer pacotes mega luxuosos para clientes que buscam por experiências de viagem espetaculares e personalizadas, a operadora da empresária conseguiu o feito de superar os períodos de recessão e manter a sua relevância nesse mercado ultracompetitivo.

Guide shops no e-commerce: uma nova forma de se relacionar com o cliente, por Donata Meirelles

Antes de fundar sua primeira empresa, a Amaro, o empreendedor suíço Dominique Oliver acreditava que passaria um bom tempo atuando em bancos nova-iorquinos de investimentos. Com a carreira iniciada em solo americano, o empresário começou a se encantar pelo segmento da moda, sobretudo pela constante interação que mantinha com empreendedores desse meio. Donata Meirelles salienta que Oliver mostrava possuir um estilo cosmopolita, uma vez que vivia longe de sua terra natal e decidiu empreender posteriormente no Brasil. Com os planos profissionais modificados, colocou em prática a ideia de um e-commerce de moda feminina.

Embora o comércio virtual não seja exatamente uma novidade, o negócio de Oliver chama a atenção por um detalhe: ele conta com lojas híbridas. Mesmo que o conceito possa parecer complicado, o funcionamento desses estabelecimentos foi pensado de modo a se tornar prático aos consumidores. Assim, tornou-se possível provar peças de roupas em locais físicos, mas a efetuação das transações de compra continua ocorrendo por meio da internet, ressalta a empresária Donata Meirelles.

O ideal de inaugurar um negócio próprio, conforme o empresário explicou à equipe de reportagem da Pequenas Empresas & Grandes Negócios, partiu da percepção de Oliver a respeito de seu trabalho anterior. Segundo ele, suas atividades profissionais do passado faziam com que se sentisse sem a possibilidade de criar algum tipo de empresa. A necessidade por empreender em algo que decorresse de um processo criativo foi, conforme alegou, determinante para que se sentisse motivado quanto à abertura de sua primeira loja, localizada em São Paulo.

A escolha do Brasil para a abertura de seu primeiro negócio não foi feita de maneira aleatória. Donata Meirelles destaca que o empresário achou conveniente empreender em uma nação de economia emergente. Ele também acreditou que o país poderia ser um local com maiores oportunidades nessa área. Além disso, a dimensão percebida acerca dos mercados consumidores faz com que as inovações sejam algo sempre bem-vindo. Na atualidade, o que era apenas uma loja de e-commerce, tornou-se uma cadeia de lojas presenciais e online.

A cultura Brasileira, de acordo com as alegações de Oliver foi um dos outros fatores que fizeram com que o empresário se sentisse mais motivado a recomeçar uma nova atividade no país. A receptividade do povo fez com que se sentisse bastante à vontade para atuar em sua marca, algo que também proporcionou com que conseguisse falar rapidamente a língua portuguesa. Ao estabelecer uma comparação com outros países, o empreendedor suíço apontou que se trata de um povo dotado de extrema simpatia.

Até que a empresa saísse do papel, nove meses foram dedicados exclusivamente a sua criação. Ele mencionou que quase metade desse período foi de atenção direta à elaboração do plano de negócios. Por se tratar de um país então desconhecido para ele, o suíço achou necessário contratar consultoria brasileira, assim como uma de âmbito internacional. Para que pudesse direcionar a empresa ao patamar desejado, outros dois empreendedores foram chamados como sócios: Roberto Thiele e Lodovico Brioschi. Com o passar do tempo, esses outros executivos passaram a assumir funções específicas dentro da companhia criada, de modo que respectivamente atuam como diretor técnico e diretor financeiro.

Um dos diferenciais da empresa em questão é o fato de conceder às clientes espaços em que as peças adquiridas possam ser experimentadas. Para ele, esse foi justamente o que procurava antes de dar início ao negócio. Donata Meirelles noticia que o empresário mostrava avidez pela elaboração de algo que fosse realmente inovador no mundo da moda, a fim de que se tornasse uma referência e assumisse certa liderança no segmento fashion brasileiro, que para ele ainda era completamente desconhecido. O empreendedor suíço afirmou não estar convicto de que a nova trajetória daria certo e para isso buscou estudar o mercado de modo minucioso.

Oliver esclareceu que a logística de sua empresa é bastante enxuta, se comparada com outras empresas de moda do país. Ele também optou pela implantação de um modelo de negócio que primasse pelo controle unificado das operações, já que segundo o empresário, isso torna as tomadas de decisão mais acertadas. Aliando tecnologia à venda de itens fashion, ele enfatizou que o segmento é um dos que mais demandam por recursos tecnológicos. Assim que o e-commerce foi aberto, o raio de entregas abrangia todas as cidades em solo brasileiro. Em relação às “guide shops”, que são as lojas físicas para que as roupas sejam provadas, estas estão presentes em 16 municípios do país.

Tão logo o cliente prove determinada roupa e aprove a transação de compra, um colaborador de uma das guide shops se encarrega de conduzi-lo até uma área da loja em que possa formalizar sua aquisição por meio da internet. A empresária salienta que existem duas opções de entrega. Na mais rápida delas o consumidor recebe sua encomenda já no mesmo dia em que comprou.

Donata Meirelles e seu ativismo social com as ONGs Brazil Foundation e Amfar

Além do envolvimento com o universo da moda, o ativismo social sempre muito presente na vida de Donata Meirelles, fez com que a especialista em estilo e tendências se tornasse conhecida em cenários internacionais.

Ante a sua efetiva participação em ações filantrópicas, a paulistana recebeu homenagens por sua contribuição com as organizações amfAR e Brazil Foundation. Em 2014, Donata foi contemplada pela amfAR com o prêmio Humanitarian por sua atuação em favor de portadores de AIDS e HIV.

Aproveitando o seu engajamento em ações sociais, a brasileira estabeleceu um propósito pessoal de fazer doações para diferentes projetos quando achar que se excedeu nas compras. Ela calcula determinado percentual sobre a soma gasta e encaminha a quantia para a instituição de interesse.

As principais organizações não governamentais (ONGs) que Donata está diretamente envolvida são: Women in the World, Brazil Foundation e amfAR. Sempre que possível Meirelles marca presença nos eventos promovidos pelas instituições como uma fiel apoiadora das causas propostas. Conheça um pouco mais destas três Fundações adotadas por Donata.

Women in the World Fundation

A Women in the World foi fundada pela própria Donata Meirelles que segue atuando como embaixadora da instituição desde sua criação, em 2011. A fundação atua em prol da defesa dos direitos das mulheres, como a equidade de gêneros e o estimulo à proteção contra o número alarmante de feminicídio.

O crescimento da Women in the World Foundation permitiu que a mesma viesse a apoiar cada vez mais ONGs como a Amfar, a Brazil Foundation e a Gerando Falcões. Outras organizações que recebem suporte da entidade são Women on the World no Campus, Solutions Database e Women of Impact Awards.

Brazil Fundation

A Brazil Foundation nasceu, no ano 2000, casualmente em um encontro entre amigos motivados em contribuir com as causas sociais do país. Na época, a ideia consistia em desenvolver um tipo de “network” formado por iniciativas e líderes sociais que pudessem de algum modo agregar positivamente às propostas da fundação.

Há alguns anos, a fundação vem promovendo Jantares de Gala beneficentes. Em cada edição do evento são abordados temas voltados para alguma área específica como Educação e Cultura, Negócios Sociais, Desenvolvimento Socioeconômico, Saúde e Direitos Humanos, onde profissionais são convidados e homenageados por sua contribuição no setor.

Nesse período de existência, a ONG já arrecadou uma cifra superior a US$40 milhões. Essa quantia foi distribuída para mais de 500 projetos apresentados por dezenas de instituições localizadas nos 26 estados do país. Em 2018, diante da crise econômica e política brasileira, a arrecadação chegou a R$10 milhões.

Somente no baile de gala realizado em São Paulo, no fim de 2018, foram arrecadados cerca de R$800 mil, entre as vendas de convites e o leilão conduzido pelo ator Jonathan Azevedo e a jornalista Fernanda Gentil.

O evento foi organizado sem qualquer gasto por parte da fundação. Todos os custos ficaram por conta dos envolvidos com o projeto, inclusive com a co-host da noite, a grife Chanel, que deixou uma sacola com perfume da marca em cada cadeira do salão.

Os homenageados deste ano foram Anna Schvartzman e José Olympio Pereira.

Em 2017, o evento cujo tema foi “Educação”, conseguiu arrecadar mais de R$1 milhão em doações. Os homenageados da edição foram Cláudio Haddad, do INSPER e Eduardo Lyra, do Instituto Gerando Falcões.

Donata Meirelles faz parte do quadro de assíduos colaboradores cuja missão é seguir sempre em busca de igualdade social para os brasileiros fornecendo apoio a importantes causas e incentivo a oportunidades.

amfAR

A amfAR (The Foundation for AIDS Research) é uma ONG de interesse global cuja atuação, voltada para a realização de pesquisas por soluções de combate a AIDS, se dá através da arrecadação financeira de colaboradores que apoiam a causa.

Estima-se, que, desde sua fundação em 1985, a soma investida pela amfAR seja de aproximadamente US$517 milhões em seus programas, além de contemplar, em âmbito mundial, mais de 3300 equipes com bolsas para a realização de pesquisas.

A instituição sem fins lucrativos existe para “garantir” o crescimento do financiamento das pesquisas sobre a AIDS/HIV, promover o acesso à educação relacionada à prevenção e ao tratamento da doença, fornecer o amparo de políticas públicas voltadas à doença e defender os “direitos civis” dos portadores do vírus.

No Brasil, o amfAR Gala São Paulo de 2018 conseguiu arrecadar cerca de US$1 milhão para os programas de pesquisas da AIDS. Nesta oitava edição do evento, Donata Meirelles entregou o prêmio coragem para Sabrina Sato, que foi reconhecida diante do seu compromisso com inúmeras causas ao logo de sua vida.

Desde a primeira edição do baile da amfAR realizado em Cannes, na França, que foi em 1993, o evento conseguiu angariar uma soma superior a US$235 milhões. Nesta última edição, que aconteceu durante o primeiro semestre de 2019, foram arrecadados mais de US$15 milhões para a instituição.

Lote de vacina vendido por empresa indiana é interditado pela Anvisa

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) informou no dia 17 de maio de 2019 que um lote de vacinas fabricado pela empresa Biologicals E. Limited foi interditado no Brasil. De acordo com a Anvisa, a interdição ocorreu em relação a vacina pentavalente líquida que é produzida pela empresa indiana. As notícias divulgadas pela Anvisa ainda destacaram que o lote não passou no teste de qualidade e que os resultados foram insatisfatórios.

Os testes realizados pela agência, também chamados de “ensaio de aspecto”, são métodos que visam garantir a qualidade das vacinas utilizadas no país. Neste método, a cor, odor e também as características da embalagem da vacina são avaliadas para manter o padrão de qualidade. No caso das vacinas indianas, esse padrão estava abaixo do exigido pela Anvisa.

As vacinas do tipo pentavalente agem contra cinco doenças, sendo elas: coqueluche, difteria, tétano, hepatite B e haemophilus influenza B. Esse tipo de vacinação é administrado em crianças em três momentos diferentes, iniciando aos 2 meses de vida, com reforços aos 4 e 6 meses.

De acordo com o Ministério da Saúde, o lote interditado pela Anvisa não chegou a ser distribuído em nenhuma região do país, considerando que as amostras não passaram no teste de qualidade que foi realizado pelo INCQS (Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde), que é de responsabilidade da Anvisa.

Mesmo sendo uma empresa confiável, considerando o vínculo com o país estabelecido desde 2014, as vacinas que foram testadas não tinham o padrão de qualidade estabelecido pela Anvisa. Além disso, a agência informou que esse problema nunca tinha ocorrido antes com a empresa Biologicals E. Limited.

No anúncio realizado pela Anvisa, a agência destacou que o lote interditado corresponde ao número 22015317B. Além disso, a agência também informou que as demais vacinas compradas da empresa indiana tais como duplo adulto e até mesmo outros lotes da pentavalente estão dentro dos padrões de qualidade e por isso foram distribuídas normalmente.

Com a ação, a agência teve como objetivo impedir que pessoas se contaminem de alguma forma, considerando que as vacinas não estavam dentro do padrão recomendado. Até o momento a Anvisa não revelou se novos lotes de vacina serão comprados da empresa.

Impostômetro registra R$ 1 trilhão em impostos 11 dias mais cedo que em 2018

A ACSP (Associação Comercial de São Paulo) informou no dia 24 de maio de 2019 que o Impostômetro atingiu a marca de R$ 1 trilhão arrecadados em impostos no país somente neste ano. Isso significa que os brasileiros já contribuíram com R$ 1 trilhão para a arrecadação de impostos em quase 5 meses. O valor foi registrado às 13:20 horas do dia 24 através do Impostômetro, que é um indicador do dinheiro arrecadado em impostos em todo o país.

De acordo com as notícias divulgadas pela associação, a marca de R$ 1 trilhão foi atingida neste ano 11 dias mais cedo quando comparado com o ano passado. Segundo a associação, o valor está relacionado aos pagamentos de impostos que foram destinados aos estados, municípios e a União. Os impostos contabilizados pelo Impostômetro estão relacionados a contribuições, taxas e multas arrecadadas em todo o Brasil.

No dia 24 de maio de 2019, o Impostômetro ainda registrava a marca de R$ 944,6 bilhões, ou seja, um valor inferior ao R$ 1 trilhão registrados neste ano. Os dados levantados por Marcel Solimeo, que é economista da associação, apontaram o crescimento nominal da arrecadação de impostos de 5,86% em comparação com o ano passado. Solimeo considera que a inflação durante o período e a pequena alta do PIB (Produto Interno Bruto) também contribuíram para uma maior arrecadação de impostos neste ano.

No ano passado, o Impostômetro chegou ao valor de R$ 2,3 trilhões em impostos, contribuições, multas e taxas que foram pagos pelos brasileiros. Criado em 2005, o Impostômetro é um indicador econômico muito importante para o país. Ele faz uma estimativa do quanto é pago pelos brasileiros anualmente nos impostos, contribuições, multas e taxas presentes em todos os tipos de arrecadações.

Os valores são estimados de acordo com as arrecadações de cada município, estado e dos valores repassados à União. O indicador está disponível no site (www.impostometro.com.br) para que as pessoas possam ver o quanto está sendo arrecadado em impostos no ano. No site, é possível encontrar as arrecadações de cada município e estado do país, assim como os impostos que mais refletem no indicador.